DAMBA E AS PROMESSAS MORTES DA GOVERNAÇÃO

Publié le par LUVUVAMO YALA DAMBA

Quando ainda miúdo, conhecia um velho chamado Nkolo Mbungo. Esse velho era tido como primeiro ministro nos bares. Era ele que pagava cervejas até aos desconhecidos que em encontrava no local de Copo. Seu aspecto exterior exprimia imagem de alguém de vida estável ao ponto que muitos imaginavam que a esposa,filhos e sobrinho do velho eram pessoas felizes e que a casa do velho era bonita e bem equipada ! ( segredo ! Mbumba kweno ku tungununi- traduzida como: não revela o segredo do outro ). Ao contrário !!! A casa do velho é suportada pela esposa com apoio dos filhos e sobrinho menores. O velho Nkolo Mbungu vivia desperso. Só apareceu em casa quando perdeu a fonte de rendimento financeira- o emprego.-

031

Um belo dia quando, Nkolo Mbungo conversava com um dos seus amigos, disse: < quando conseguir dinheiros, vou melhorar essa casa e minha mulher, filhos e sobrinhos estudarão bem perto daqui com boas condições> huum ! murmurou seu filho menor que esteve ao lado, a acompanhar a conversa. Os velhos assustaram ! que isso ?perguntou o amigo do velho Nkolo Mbungo. O Miudo respondeu: <Papa já era primeiro ministro nos bares e tudo que tinha pertencia aos outros; esqueceu-se de nós e da casa dele; esqueceu-se que antes de encontrar emprego, já fazia esses tipos de promessas ! >  Essa é a realidade semelhante a que vive Damba.

 

Alguns dirigentes sobretudo do partido no poder que passam por lá, deixam promessas. O numero de promessas feitas são incontáveis ! muitos dos membros do executivo angolano são naturais do Damba: alguns como ministros,embaixadores,deputado,governadores e até deputado na assembleia Nacional da republica de angola. Duvido que a nível de directores nacionais faltem Esi Damba; mas por estranho que parece, esse mesmo Damba está sendo suportado por seus filhos e sobrinhos e amigos, na pura inquietação sobre o porque a não reacção dos acima referidos que vemos na televisão a inaugurar empreendimentos noutras localidades e discursar sobre possiveis dias melhores virão!

 

No exterior de angola, em portugal mais concretamente, saiu a voz da revolta:<queremos vistos para Angola afim reconstruirmos o aeroroporto de Damba em 60 dias >. esperamos que não lhes sejam impostos impedimentos. São naturais de Damba e com direito a nacionalidade quando assim o entender, isto de acordo a legislação. Louvado seja o Senhor Jesus Cristo por estes que pelo menos manifestaram solidariedade a caso damba devem merecer o nosso total apoio !

 

Invocam hoje razões de falta de quadros para desafios futuros no caso da província do Uige de onde inclui Damba. Achamos triste porque tudo que deve fazer para atrair quadros e formar mais quadros não tem condições criadas. Mas o que finalmente se passa na mente dos Bakongos em angola ? Damba, se formos a ver é o celeiro dos quadros em angola ! Em todas as estruturas da função pública ou ministérios temos Musi Damba. São esses que fogem ou abandonam o teritório em busca de melhores condições de vida nas grandes cidades; e outros até há que não abandonam mas são abandonar porque não há condições reunidas no caso de prossecussão dos estudos. Como possivel que o governo até aqui, não entende ser protagonista de fuga de cerebros para certas zonas no Pais ? Mas nesse governo estão também os esi Damba; que diremos ? Não informam a verdade, não opinam, cuidam somente das suas barrigas e as dos amigos. como sabem da hospitalidade de seus familiares, têem fé que quando ir lá zona, vou lhes levar um pouco de peixe, sabão e açucar, vão embora entender ! Que penas !

 

Agora que nada faz para o teu Damba, no total esquecimento do que dizia quando era ainda estudante de que quando for lguém vou fazer isto e aquilo para....um dia, alguém vai te dizer:< Papa já era primeiro ministro nos bares e tudo que tinha pertencia aos outros... >

 

O desenvolvimento de Damba depende de ti, de mi, de nós todos ! Importa pensar e fazer algo para Damba. As promessas até aqui feita aos povos de Damba são mortas.

 

 

Publié dans Politica

Commenter cet article